Por: PNUD
30 Mayo 2019
  • América Latina Genera interviews Ana Costa, AVON Brasil Vice President, General Counsel, South Latin America for July's monthly newsletter about women’s economic empowerment. The interview is available in two languages: Portuguese and English.

 

  1. Could you share what has your path been to reach to the top? What did help you and what challenges did you find?


R: PT

Durante a minha carreira, tive muita sorte de fazer parte de empresas que me impulsionaram, líderes que encorajaram meu desenvolvimento e times talentosos que me ajudaram muito. É importante saber que é possível ter sucesso nas suas escolhas de vida, independente do que seja o “topo” para cada um. Isto é muito particular. No meu caso, o crescimento profissional contou com uma rede de apoio diversa e trabalhar em empresas que têm valores e políticas claras que permitiram um equilíbrio entre momentos de escolhas pessoais e profissionais, ajudou muito.

O maior desafio é evitar tentar ser a “mulher maravilha” o tempo todo. Esta é uma armadilha que temos que evitar. Aprender a pedir ajuda e impulsionar comportamentos colaborativos dentro e fora da empresa fazem os desafios serem mais leves. É muito fácil ouvir sobre equidade de oportunidades, mas promover este comprometimento e ajudar na ampliação de consciência desta necessidade, como líder, torna este discurso mais factível no dia a dia.


R: ENG

Throughout my career, I was very lucky to be a part of companies which drove me further, with leaders who encouraged my development, and talented teams which helped me a lot. It’s important to know that you can succeed in your life choices, whatever the meaning of "top". That is very particular for each of us. In my case, my professional growth has had a diverse support network and working at companies that have clear values ​​and policies that enable a balanced personal and professional choices has helped a great deal.


The biggest challenge is avoid trying to be "wonder woman" all the time. This is a trap we must avoid. Learning to ask for help and to drive collaborative behaviors inside and outside the company make the challenges feel lighter. It’s very common to hear about equality of opportunity. However, promoting this commitment and helping to increase awareness of this topic, as a leader, makes it more feasible on a daily basis.


   2. Why is it relevant to advance gender equality in the business world?


R: PT

Por todos os motivos possíveis. É um caminho sem volta. É fato comprovado que a produtividade das empresas aumenta quando elas contam com mulheres em posições de liderança e participação em conselhos. Isto não é mais uma percepção, é um dado comprovado, quando se fala de diversidade como um todo. Diversidade gera inovação que gera sustentabilidade dos negócios. Este é o tripé que, cada vez mais, está no discurso das empresas e temos que assegurar que esteja na prática das empresas também.


R: ENG

For every possible reason. It’s a path that with no turning back. It’s a proven fact that corporate productivity increases when women occupy leadership positions and councils. When speaking of diversity in general, this is no longer a perception, but a proven fact. Diversity generates innovation that generates business sustainability. More and more, this tripod discussed by companies and we must ensure that it’s being put into practice as well.


   3. What needs to be done to advance equality in the business sector? What do we need to take a quantum leap?

R: PT

Ainda tem muito a ser feito, a começar por multiplicar a informação e a vivência de que diversidade traz resultados, fomentar sempre que mulheres incentivem e impulsionem outras mulheres em suas escolhas profissionais. É preciso que as lideranças promovam estes exemplos de forma tangível, trabalhando em comunicação e políticas internas que chamem homens e mulheres para fazer parte desta discussão que é cada vez mais frequente e necessária, inclusive no que tange a eliminação de estereótipos e preconceitos que são culturais. Apesar do aumento de mulheres no mercado de trabalho nas últimas décadas, a equidade salarial com os homens pode levar até 80 anos, segundo o Relatório Global de Equidade de Gênero da ONU, apresentado no Fórum Econômico Mundial. Precisamos unir esforços para antecipar esta realidade e diminuir este gap.


R: ENG

There is still much to be done, starting by increasing information and the fact that diversity does bring results, and by encouraging women to support other women in their professional choices. Leaders need to promote these examples in a tangible way, working on communication and internal policies that call on men and women to take part in this increasingly frequent and necessary conversation, including the elimination of cultural stereotypes and prejudices. Despite the increase of women in the labor market in the past decade, equal pay could take up to 80 years to happen, according to the UN Global Gender Equity Report presented at the World Economic Forum. We need to join forces to anticipate this reality and to close this gap.